sexta-feira, 22 de setembro de 2017

A Rotina

Oi pessoal, a vida aqui já está nos eixos. Ainda não posso dizer que amo esse lugar pois estou em fase de adaptação.
 Mas vamos do começo. Depois que cheguei eu fiz documentos e logo na semana seguinte consegui um emprego temporário. Isso mesmo, com 5 dias depois da minha chegada eu consegui um emprego numa fabrica de decoração de Natal com contrato até novembro.
Depois de cinco dias trabalhando lá, eu consegui um outro emprego e comecei a trabalhar no emprego que estou hoje, que é na minha área de formação. Sim, isso mesmo que você está lendo! eu bati todos os records imagináveis.
Em resumo, eu fui muito sortuda, quase não gastei o dinheiro que trouxe, já estou trabalhando na mesma empresa tem quase um mês e estou me adaptando. Só posso dizer que é muito diferente de trabalhar no Brasil. Meus chefes são pessoas maravilhosas, a empresa é um ambiente super relax e pra melhorar eu trabalho apenas um km de casa. Posso ir a pé pro trabalho.
Sim, eu sou muito sortuda e fico muito aliviada que tudo tenha se passado assim. Apesar de toda essa sorte, a adaptação não é fácil, é muito dificil! Eu ainda falo muito errado o francês e tenho muitas limitações. Nos primeiros dias de trabalho tive crises de ansiedade horríveis, não dormia, o coração disparado, não conseguia respirar. Agora estou melhorando aos poucos.
Vir sozinha foi a decisão mais difícil que tomei e acho que não viria sozinha novamente. Estar sozinha num país onde não se conhece ninguém as vezes é desesperador. Eu estou testando todos os meus limites.
A maior parte dos dias, tenho vontade de voltar pro Brasil, voltar pro meu antigo emprego e pra minha zona de conforto, mas também lembro de tudo que me fez chegar até aqui e o quanto não me sentia feliz com a minha vida no Brasil.
Continuo sem tempo, mas algumas coisas mudaram. Aprecio muito mais os dias quentes e de sol! O sol me deixa muito feliz. Agradeço a Deus toda semana na missa e também peço forças para me adaptar e poder ser feliz novamente.
E cada dia é um passinho a mais, e digamos que os passos são bem pequenos! Regredir na profissão é muito difícil por mais que venhamos preparados, mas trabalhar é muito melhor do que ficar em casa! Acreditem, fiquei perto de uma semana em casa e foi desolador. Doía na alma a solidão e o peso das decisões. Mas o tempo é generoso demais, ele custa a passar, porém quando passa!!!! Fiz algumas amizades e são elas que me fazem caminhar, nem todo mundo vai ser seu amigo pra sempre, mas ter apoio de alguém que pelo menos te ouve, é essencial.
Também comecei as aulas de francês, é uma rotina cansativa, saio do trabalho vou pra aula e volto 10:30 da noite. Meu dia começa as 6:40 e termina as 10:30. Uma jornada e tanto! Sei que é temporário e que o francês vai melhorar e me sinto abençoada todos os dias por Deus me dar tantas coisas boas.
Estou cansada, vivo cansada. Às vezes uma reclamona, mas no fundo sei que tudo vai passar e que uma hora irei encontrar a paz que eu tanto procurei. Não me sinto em casa, mas sinto que cumpri o dever que tinha comigo mesmo, que era de vir aqui, como um dia imaginei.
Já falei das marmitas? Eu adoro cozinhar mas fazer marmita e comer de marmita é muito difícil. Tem dias que morro de vontade é de comer um mc donald's. Meu trabalho fic próximo à um mc donald's e à um Tim Hortons. Por vezes não resisto as gordurezas do Tim mas do mc tento passar longe. Ah que saudades do restaurante da empresa! Mas faz parte, estou me organizando melhor e tentando ser criativa na confecção das minhas marmitas. Morar num studio (kitnet) não ajuda muito mas é o suficiente pro momento. Até eu sentir que deva assumir um compromisso de locação de longo prazo.
Eu odeio mudar de casa, eu acho muito trabalho, mas quem sabe um dia?
Enquanto isso o tempo vai passando e as coisas vão tomando forma e a gente é capaz de ter certeza que fez a escolha certa. Até lá, muita paciência e resiliência.

Até a próxima


Rita

sábado, 26 de agosto de 2017

A chegada no Canadá

Confesso que faltou coragem pra vir até a frente do computador para contar mais detalhes sobre a chegada.
Vivi um turbilhão de emoções e esse post vai ser bem longo!

A despedida:

Saimos domingo pela tarde da minha cidade rumo à São Paulo, meu namorado, minha mãe, meu tio e Eu. Pegamos transito, acidente, tudo que poderia dar errado, mas saímos bem cedo pois era volta do dia dos pais e já imaginávamos que seria tenso. Chegando no aeroporto, já fui despachar tudo e a moça do balcão me orientou que passasse logo pois a fila estava muito grande. E lá fui eu me despedir dos meus amores. A depedida da minha família e do meu namorado foi muito difícil e eu me emociono só de contar. Eu pedi perdão para minha mãe por deixar ela e chorei muito, abracei meu namorado como se fosse a última vez e segui chorando. Foi a parte mais difícil de todas.

A Viagem:

O primeiro trecho foi de São Paulo até Cidade do México, foi bem tranquilo, eu dormi bastante, estava emocionalmente exausta. Chegando no méxico aquela bagunça toda, de imigração, mesmo só fazendo conexão, tive que passar pela imigração. Depois ainda tive que recolher minhas malas e enfiar numa outra esteira. E para minha surpresa, o carrinho de malas era pago. E eu não tinha moeda mexicana. Tive que me virar com duas malas gigantes e sozinha. Depois disso a espera foi longa, 10 longas horas no méxico. Dormi, falei com meus amados, mas não por muito tempo pois acho que são 2 ou 3 horas de uso do wifi. Deu pra descansar, por incrivel que pareça, o lugar que me instalei era bem tranquilo e eu consegui ficar bem tranquila. Chegou a hora do segundo trecho, até Toronto, também foi bem tranquilo, uma viagem sossegada, um avião pequeno mas tudo bem. Chegando em Toronto precisava recuperar as malas. Na minha ingenuidade iria recuperar, despachar e ir descansar né. Já tinha lido tudo sobre onder dormir no aeroporto.
Em Toronto, passei pela imigração, nada de welcome to Canada e blablabla. Eu cheguei logo depois da meia noite então o Serviço de recepção dos imigrantes estava fechado. Foi tudo bem, só entreguei papéis a moça fez o que tinha que fazer e pediu meu endereço para a entrega do meu cartão de RP. Saindo de lá recuperei minhas malas e fui achar onde despacharia. Que para minha surpresa estava tudo fechado. N tinha como despachar, e n tinha como entrar pras os portões de embarque. Eu fiquei aflita e resolvi buscar hoteis perto do aeroporto, pois estava exausta. Achei um lá e pronto, fui pra lá. Chegando lá, o cara me disse que não tinha disponibilidade. Eu disse que tinha visto que haveria, mas o caso é que a questão da meia noite e etc enfim, o site estava mostrando a disponibilidade para a noite do 15 e 16, não pra 14 e 15 que no caso era o dia anterior. Enfim, pedi a ele se poderia usar o wifi. Usei e liguei pelo skype para varios hoteis nas redondezas e nenhum tinha nada disponivel. Tive que voltar pro aeroporto. Voltei e amarguei uma longa espera. Ate que oito da manha fui despachar minhas malas. No areorpot de toronto, as malas são despachadas por você mesmo. As minhas começaram a dar erro. Tive que ir no atendimento ao cliente e falaram que tinham que reemprimir as minhas etiquetas. Ok até ai. Vou fazer uma nova tentativa e acusa que minha mala está com excesso de peso. As duas estavam com mais de 32 kgs mas a moça do guichê do Brasil falou que não ia obrar já que eu estava de mudança. Fiquei falando com o pessoal da cia aérea e disse que comprei no Brasil e que estava incluso 2 malas de 32 kgs. Enfim, ele falou que iria me dar uma sugestão, pois eu provavelmente ia ter que pagar extra. Me disse para ir no lugar que manda oversized baggage e falar que tinha coisas frágeis dentro da minha mala e que eles não iam cobrar nada. Pois então fui e nem falei nada que tinha coisas frágeis. O cara passou minha mala e foi tranquilo. UFA. Entrei e fui achar meu portão, tudo de boa e tranquilo, porém mais uma espera. Me acomodei no chão de carpete do aeroporto e botei meu relogio pra despertar. Tomei um café da manhã no Tim Hortons e dormi até quase a hora do embarque. Pode ser nojento, favela, etc, mas eu tinha passado a noite toda sem dormir, carregado as malas pesadissimas, eu estava exausta!
O voo de Toronto para Ville de Quebec estava cheio de brasileiros! Foi muito bom e um voo bem curtinho. Chegando em Ville, corri pegar um uber e me direcionei ao terminal de ônibus, chegando lá ja comprei minha passagem para as 14:00 horas e fui comer um subway.Mais uma vez olharam torto pras minhas malas: Só pode duas e pra eles eu estava com 3 por causa da carry on, mas ficou por isso mesmo, embarquei, curti o wifi do ônibus, dormi e acordei perto de Montreal.
Tive que novamente me virar com todas as malas gigantes e chamei um uber e finalmente consegui chegar no meu apartamento. Onde o meu amigo Tiago (http://www.diarioimigrante.ca/) estava me esperando.
Ele não só me ajudou, como também me fez jantar. O que foi muito bom depois de toda a minha saga.

Conclusões:
Paguei 1475 reais pela minha passagem ida e volta. No total viajei 2 dias e foi muito cansativo. Faria isso novamente? A resposta é não! Você já está lidando com tanta coisa, com tantas emoções e se preocupar com logística não é fácil! Mas ok, no final deu tudo certo e fiquei muito feliz por ter chegado aqui bem!
Ter amigos é extremamente importante! Não só para te recepcionar, mas para te ajudar, para te ouvir ou só pra te fazer cia. Imigrar sozinha é extremamente difícil, a  solidão é algo que pega muito.
Eu demorei bastante pra me recuperar do cansaço, mas isso é assunto pra outro post.


Abraços

Rita

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Contagem regressiva

Já estou em contagem regressiva, contando os dias para o embarque, cada dia durmo pior, insônia e depois sono durante o dia, um cansaço mental absurdo. Sambando pra caber tudo nas malas.
Porém a melhor noticia da semana foi que consegui alugar meu ap. Estou mega feliz e também super aliviada, pois estava preocupada em não conseguir alugar aquele ap que eu queria, já que ele era baratinho e mobiliado!

Não poderia estar mais feliz! Agora só estou quebrando a cabeça com a melhor opção para chegar em Montreal. Como comprei passagem na promoção, paguei barato mas é até quebec city. 

Até logo!!!

Talvez o próximo post já seja do Canadá, do jeito que estou demorando para postar.

Rita


quinta-feira, 22 de junho de 2017

A espera

Bonjour pessoal,

Depois que o visto desenrola, as coisas ficam parada. Pelo menos pra mim, estão bem parada,s pois eu já tinha uma data de embarque prevista.
No momento, estou me desfazendo de roupas e coisas que não vou levar. Mamãe também está me ajudando, já está colocando meus casacos no sol, lavando minhas roupas de inverno e botando tudo no sol.
Estou pensando em levar bagagem extra, mas não sei até que ponto isso compensa. Eu tenho muita coisa, muita mesmo e seria mais dinheiro pra gastar.
Infelizmente, o dólar aumentou e meu poder de compra diminuiu. Fazendo com que eu fique mais preocupada com a situação financeira. Acho que já comentei que eu tinha dinheiro suficiente para me manter 6 meses sem trabalho e alugando um ap simples, mas nas minhas estimativas eu teria uma poupança para emergências, o que talvez não seja o caso agora. Eu também me programei para continuar pagando meu ap. Acho que já comentei aqui que comprei um apartamento e guardei uma grana pra deixar pago 12 meses do financiamento. Enfim, se precisar de grana eu vou ter que usar essa do apartamento.
Porém estou bem confiante que não terei problemas financeiros sérios. Acredito que vá encontrar emprego rápido. Eu já tive um contato com uma headhunter sobre uma vaga, porém quando disse que ainda estava no Brasil, ela me disse que então não poderia participar da seleção. Isso me deu um ânimo, pois quer dizer que meu perfil já está sendo visto no linkedin, e como disse também, estou indo com coração aberto, abraçando todo e qualquer emprego pra ter referências, pra reconstruir minha vida lá!
Também já comprei o seguro de saúde para os 3 primeiros meses. Eu tenho um histórico de ficar doente nas minhas viagens internacionais e nas vezes que morei fora também. Tendo que ficar hospitalizada uma vez. Então por conta dessa "sorte" ou falta da mesma, eu resolvi que seria melhor prevenir do que me ferrar.

O apartamento está um novela :(. O apartamento que vou alugar (kitnet) começa a contar o aluguel à partir do dia 1 de cada mês, e eu chego em Montreal no dia 15/08. A mulher que faz as negociações me pediu para entrar em contato daqui um mês, me deixando um pouco apreensiva mas acho que vai dar tudo certo. Dizem que a rotatividade desse apartamento é bem alta.

Também estou providenciando o pedido de visto de turista pra mamãe e pro meu namorado. Vamos ver o desenrolar.

No mais é só isso. Em uma semana eu acabo meu aviso prévio e fico de "férias" por um tempinho!

Abraços





quarta-feira, 17 de maio de 2017

Providencias finais

Meu passaporte chegou ontem e pra falar a verdade, não foi um sentimento de nada. Tipo, ah tá chegou. Acho que é porque eu sabia que ia chegar e que meu visto já estava emitido. Ele chegar em casa era mera formalidade. 
Agora estou pensando nos ajustes finais. Ainda falta um tempo pro meu embarque então posso fazer tudo com calma.
Vai a lista:
 - Preciso finalizar minha conta no desjardins, pois faltava o passaporte. (escolhi o desjardins pela facilidade de enviar meu dinheiro daqui pra lá) Eu sei que é só um depósito, mas acreditem ou não, não tenho 100 mil reais para enviar, aliás, nem chego perto disso).
 - Preciso resolver o seguro saúde enquanto passo pelo período de carência do RAMQ. Aceito sugestões econômicas.
 - Preciso me decidir se vou alugar um quarto ou um studio indicado pelo Tiago do Diário Imigrante, na verdade, estou esperando ele chegar lá para ele me fazer um vídeo e muitas fotos para me  contar as impressões sobre o studio. Mas esse assunto merece um post que pretendo fazer posteriormente.
 - Preciso muito me desfazer das minhas roupas que não vou levar. Já estou vendendo algumas coisas. Aqui vai minha lojinha, pra quem se interessar: loja da rita

Preciso fazer muita mais coisa, procuração, fechar conta em banco, cancelar cartão, cancelar internet, telefone etc. É muita coisa mesmo, e algumas eu só vou conseguir resolver nos últimos momentos.

E ainda tem o trabalho, que já alertei da minha saída, mas os dias tem sido longos. Aquela sensação de estar aqui querendo estar lá tem me tirado noites de sono e me dado uma canseira sem fim!

Abraços

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Acabou - só falta receber o passaporte!

Acabou pessoal, agora é só receber o passaporte em casa! A minha conta no mycic está informando que minha solicitação foi aprovada e está tudo ok! Ou seja, meu visto foi emitido com sucesso.
É uma sensação de alívio muito grande, uma calmaria para o coração, mas ao mesmo tempo, uma ansiedade para os próximos passos.
Estou planejando um bazar para levantar uma grana e vender tudo que não serve mais ou que não quero levar. Também já preciso me decidir se vou ficar num airbnb ou em algum outro lugar. Estou aguardando um amigo confirmar se um lugar que ele alugou é bacana para me decidir.
Avisei no emprego com bastante antecedência para eles terem tempo de contratar alguém para o meu lugar. Tudo se encaminhando como eu planejei!
Estou muito feliz, de verdade! Estou com os pés aqui mas minha cabeça nessa nova vida!
Foram mais de 3 anos de espera, 3 anos de paciência e sem poder contar pra muita gente. As pessoas que contei já nem acreditavam mais que eu iria, porque a coisa não acontecia!
Agora é verdade, já posso contar pra todos que vou com certeza! com data marcada, visto aprovado.
Nesse momento, estou passeando virtualmente por Montreal, vendo as ruas cheias de arvores, as pessoas, os parques. Relembrando lugares que visitei, vendo lugares que gostaria de conhecer, imaginando como será minha nova rotina nessa cidade que me encantou. E eu só tenho que agradecer a Deus por ter me dado forças apesar de todas as pedras no caminho, por ter me dado uma família maravilhosa, que apesar de ficarem triste com minha partida me apoiam muito e pelo meu namorado, o ser humano mais compreensivo e apoiador que conheço. Sem as pessoas queridas me apoiando, eu não teria chego tão longe. Vejo que não somos nada sozinhos! Espero que nessa nova fase conheça pessoas igualmente maravilhosas e que desenvolva muitas relações saudáveis e de muita amizade e cumplicidade!

Só posso dizer que não poderia haver conquista mais feliz na minha vida! Minha vontade é de chorar, chorar de alegria!

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Finalizando - pedidos de passaportes

Recebi o pedido de passaporte em 19/04/2017 e até agora não mandei. Porque? Eu estou falida graças ao processo, passagem, médico, tudo junto e no mesmo mês!! Tive que tirar dinheiro da poupança, me virar nos 30 e já vinha de um histórico falido,  no mês anterior tive que pagar registro do meu apartamento. Só gasto nessa vida! E de repente meu deu uma preguiça também, aquele email longo com as instruções, a canseira do dia a dia., tirar foto e não sei mais o que. Hoje, estou com tudo pronto pra enviar, acredito que vá conseguir enviar amanhã, mas eu não tenho tanta pressa, tenho data de embarque, que está um pouco longe. Sei lá, só não estou na vibe, estou cansada, meio desanimada por esses dias. Eu estou idealizando essa mudança há 3 anos e quando ela finalmente começa tomar forma eu começo a analisar demais. Eu sei que vou partir, mas dar tchau, me despedir dos velhos hábitos e principalmente das pessoas é uma ideia que tem me assustado muito. Sempre fui uma pessoa destemida, uma jovem destemida e de repente estou com medo. Medo de não ter feito a escolha correta, medo de não conseguir trabalhar, de passar necessidade, resumindo, medo do desconhecido. Sair da zona de conforto é realmente muito difícil,  quando me falavam isso, eu pensava: "Nossa, que frase sem sentido! Como alguém pode gostar da zona de conforto?" Na zona de conforto não há muitos desafios, por vezes estamos apáticos, num piloto automático, o trabalho já não é motivante, a rotina às vezes é massante, mas é conhecida, você sabe o dia de amanhã e o depois de amanhã. Tudo é bem previsível, mas também não podemos encarar a zona de conforto como algo ruim. Muitas pessoas são felizes nela, pessoas que me rodeiam, são muito felizes nas suas zonas de conforto.
Eu nunca vou saber se fiz a escolha certa, porém acredito em segundas chances, acredito em recomeçar. A vida gira e tem que estar em constante movimento. Partirei com o coração aliviado e se um dia resolver voltar, também será com o coração aliviado pois sei que sempre vou ter minha família por aqui pra me acolher.

Sorte pra todos nós que vamos começar a parte mais difícil dessa jornada!


Abraços.